Definindo a Anticoagulação na Fibrilação Atrial

12 maio

SVcast 26 FB-01

Fala, pessoal!

A identificação de fibrilação atrial (FA) no atendimento agudo é fundamental para podermos traçar a conduta correta. E isso é cada vez mais importante, dado a maior prevalência dessa doença nas últimas décadas!

Já é sabido que a FA gera um estado protrombótico muito importante, com consequências tromboembólicas graves, como o acidente vascular encefálico.

Mas quando devemos, afinal, anticoagular esse paciente? Sempre? Nunca? Às vezes?

É isso que veremos neste podcast aqui embaixo!

Espero que tenha gostado!

Quer saber mais sobre o nosso treinamento avançado? Não perca tempo! Clique aqui: dominandoumasalavermelha.com.

Faça valer a pena. Faça valer a vida.

Matheus Schwengber Gasparini

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

Magalhães LP, Figueiredo MJO, Cintra FD, Saad EB, Kuniyishi RR, Teixeira RA, et al. II Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial. Arq Bras Cardiol 2016; 106(4Supl.2):1-22.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *