Controle da Pressão Arterial no AVE Hemorrágico

2 jun

FB - CAPA 28

Semana passada havia chegado um paciente com AVE isquêmico bastante hipertenso, mas conseguimos, com as dicas certas, manejar bem essa pressão arterial (ouça o podcast aqui).

Mas a gente não tem sossego nesses plantões… Acabou de chegar outro paciente hipertenso, só que, desta vez, com AVE hemorrágico! E agora? Você sabe o que fazer?

Ouça o que a literatura diz a respeito deste tema tão importante:

 

Bate aquele calafrio quando chega um paciente com suspeita de AVE? Sente-se confuso sobre o que deve ser priorizado no atendimento inicial? Ouça só este podcast, ele é para você: http://svblog.com.br/2017/04/21/acidente-vascular-encefalico-saiba-o-que-fazer-na-1a-hora-de-atendimento/.

Quer saber mais sobre o treinamento avançado que a Sala Vermelha preparou? Não perca tempo! Clique aqui: dominandoumasalavermelha.com.

Faça valer a pena. Faça valer a vida.

Matheus Schwengber Gasparini

Referências Bibliográficas:

1) Connolly ES Jr, Rabinstein AA, Carhuapoma JR, Derdeyn CP, Dion J, Higashida RT, Hoh BL, Kirkness CJ, Naidech AM, Ogilvy CS, Patel AB, Thompson BG, Vespa P; on behalf of the American Heart Association Stroke Council, Council on Cardiovascular Radiology and Intervention, Council on Cardiovascular Nursing, Council on Cardiovascular Surgery and Anesthesia, and Council on Clinical Cardiology. Guidelines for the management of aneurysmal subarachnoid hemorrhage: a guideline for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2012;43.

2) Hemphill JC 3rd, Greenberg SM, Anderson CS, Becker K, Bendok BR, Cushman M, Fung GL, Goldstein JN, Macdonald RL, Mitchell PH, Scott PA, Selim MH, Woo D; on behalf of the American Heart Association Stroke Council, Council on Cardiovascular and Stroke Nursing, and Council on Clinical Cardiology. Guidelines for the management of spontaneous intracerebral hemorrhage: a guideline for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2015;46:2032–2060.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *